quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Microconto #1


Primeiro era a tristeza de querê-la e não tê-la. Depois foi a sofreguidão de tentar conquistá-la. Conquistando-a, passou a viver o medo constante de perdê-la. Tanto temeu que a perdeu, e agora prova a dor diária de não conseguir esquecê-la. Tenta substituí-la de quando em quando, não percebendo que segue sempre sua mesma história, trocando apenas as personagens, e pensa: "elas... elas são todas iguais".

9 comentários:

Erica Dias disse...

Que lindo, Marquinhos. Nao sabia que voce tinha um blog tao criativo! Virei Fã!

Marcos AM Ramos disse...

Obrigado, Erica! Será sempre muito bem-vinda =)

nara vidal disse...

Muuuiito bom. Para mim, isto é poesia, Marquito. Profundo e simples. AMEI! Keep it up, baby!

Vartan Melikian disse...

Elas podem até ser, mas seus contos não são todos iguais.
Gostei do estilo.
Abs,

Nininha e Lalinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nininha e Lalinha disse...

vc sabe quais e como usá-las...(estou falando das palavras..rsrsrs).
É tanto sentimento em poucas palavras. Como vc consegue isso?
Em duas palavras: ALMA e TALENTO.
Tentando um trocadilho: AH, SE TODOS FOSSEM IGUAIS A VC!
Bjs com saudades,
Samia

Elis Barbosa disse...

Iguais ao que imagino que elas sejam. A palavra mistério é masculina, não devia.

Não resisti, amarrei umas rabiolas minhas na sua pipa! hihihi

Beijos

Sara Araujo disse...

Oiie tuudo beem ? esperoo que siim !
Noossa Paraabéns pelo bloog, é liindo. Eu amei aqii. Seeguiindo, se puder seguiir de voolta.Bom agradeço desde jaa! Bjiinhoos ;*

http://sarah-araujo.blogspot.com
- Blog da Saah.

Bianca Borges disse...

para variar, adorei! ;)