domingo, 26 de junho de 2011

Socorra-se


Estou quase sempre conectado ao facebook enquanto estou online. Eu gosto da interface, gosto da aparência e da dinâmica do site. Me exponho bastante lá e achava até que me expunha demais. Pra variar, observar o comportamento dos outros sempre dá uma luz sobre aquilo que penso de mim mesmo, e pelo visto sou um amador em matéria de auto-exposição.

O número de pessoas pedindo socorro através de suas mensagens é imenso. Geralmente em indiretas (?) para ex-amantes ou colegas de trabalho que pipocam entre frases depressivas ou relatos de uma vida cheia de vazios. Em geral, eu entendo perfeitamente esse tipo de atitude devido ao meu histórico e à minha própria inevitabilidade de transparecer meu estado emocional, mas acho que manter essa vibração repetitiva destrói o indivíduo se ele não se esforçar para mudar de direção. As ondas ressonantes alcançam os outros transmitindo uma sensação ruim, um mal-estar às vezes. Acredito que o erro está em contar com a iniciativa dos outros para melhorar seus dias quando seu esforço é pífio para abandonar uma romantizada auto-piedade.

Ficar publicizando seu sofrimento ao mesmo tempo em que sua auto-afirmação tenta propagandear suas qualidades acaba transmitindo uma mensagem confusa para os outros e, assim, a primeira e mais importante informação que você queria transmitir (que é "me liguem, me convidem, me chamem pra sair") se perde entre os disfarces e atrás das máscaras. Ao mesmo tempo, ninguém quer parecer fraco, carente ou dependente do carinho alheio, pois é fato que aqueles que enxergamos assim não costumam ser nossas primeiras opções como companhia.

Ah, mas você vai me dizer que você não é assim, né? Você dá companhia aos que estão na fossa, estende a mão aos coitadinhos, dá o ombro para chorarem rios. Não duvido que você seja assim, mas para mim o seu erro é se você espera que os outros sejam assim contigo. Não utilize-se como parâmetro para ninguém.

Por isso, quero dizer do fundo do meu coração a todos os que se encontram na merda: se virem. É isso mesmo, se virem, não contem com ninguém, não esperem pela ajuda divina ou terrena, pois ela dificilmente vem (eu queria escrever que ela nunca vem, mas a vida é muito cheia de histórias estranhas e, bem, nunca se sabe). Não joguem sobre as costas dos outros a responsabilidade pelas suas alegrias, sua felicidade. Eu já fiz isso na minha vida e sei que não adianta, não funciona e não compensa. A gente termina um relacionamento e pensa "depois de tudo que fiz por ela...", pois adivinha? Você fez o que quis e porque quis. Você fez de coração, e o que se faz de coração se faz desprovido da espera por retorno. Não espere nem por consideração, pois se "tudo aquilo" que você fez é condicionado à retribuição em qualquer nível que seja, então você não fez puramente por amor, fez por interesse: interesse no que poderia obter em recompensa, ainda que essa recompensa fosse apenas amor de volta. Acontece que tenho pra mim que o amor é uma via de mão única, ele independe, e por mais que seja maravilhoso receber amor em retorno, contar com isso (e perceber que isso muitas vezes não acontece) é o que traz toda essa dor e sofrimento.

Ajude-se, mova sozinho as engrenagens que você puder e, talvez, ao sair da inércia em que se encontrava, as pessoas se sintam mais voluntariosas a fazer com que todas as outras rodas dentadas entrem em funcionamento. Use seu facebook para escrever textos bonitos, contar histórias curiosas, divulgar vídeos ou músicas interessantes, ou mesmo para perguntar se a galera tá afim de fazer um programa X, mas tem que ser um programa que você fará ainda que sozinho, pois sempre há a possibilidade de nenhum dos seus 384 contatos responder ou de os 9 que responderem simplesmente darem bolo sem maiores explicações. Nada disso pode te afetar negativamente a partir do momento em que você sabe que esse é um mundo do contra.

Qualquer resposta negativa já era esperada. Qualquer reposta positiva é uma gratíssima surpresa! Não sou eu que estou dizendo isso, são os fatos, é a nossa experiência, é a vida como ela tem sido até o momento.

Faça a sua parte, eu faço a minha, qualquer hora dessas estaremos fazendo nossas respectivas partes em conjunto, mas não espere que eu faça a sua parte por você. Sua vida é sua responsabilidade, cuide bem dela pois ninguém vai fazer isso se nem você o faz.

16 comentários:

Natália disse...

hahaha, e vc pediu no fb pra q as pessoas lessem e comentassem! :) amo contradições. :D

Marcos AM Ramos disse...

Pedir atenção de forma direta e declarada é algo muito sincero e digno, tá?
=P

Bianca Borges disse...

é o que a minha mãe sempre diz: "não coloque os seus problemas na porta de ninguém..." acrescento: "quer alguma coisa? vá e busque essa coisa com os seus próprios recursos, sem esperar por ninguém."

beijo, Marcos querido!

p.s.: o pedido de atenção foi digno! ;)

Marcos AM Ramos disse...

Obrigadíssimo, BB. Sua presença aqui é sempre desejada =)
E obrigado por achar o pedido digno. Na verdade, relendo o texto, eu acho que o que fiz foi exatamente seguir meu próprio conselho, então nem achei contraditório, mas respeito a opinião da Natália, como sempre respeitarei, levo numa boa.
Eu tentei dissertar sobre a exposição exagerada que alguns fazem de suas infelicidades na espera de que alguém se sensibilize, ao invés de lutarem por si, serem mais pró-ativos e, assim, conseguir resultados. Eu escrevo, quero que muitas pessoas leiam meus textos, quero poder fazer alguma diferença pra elas, então não tenha dúvida de que continuarei escrevendo, divulgando e pedindo SIM que venham aqui dar atenção às minhas palavras! Se não fosse pra isso, eu escreveria num diário e o trancaria numa gaveta.
Beijos, linda!

Bianca Borges disse...

eu também acho que algumas pessoas perdem a "medida certa" ao exporem os seus dramas pessoais no FB. aliás, não só os dramas, mas também certas declarações de amor desmedidas, promessas de paixão eterna que são solenemente rasgadas pra quem (não) quiser ver.
acho que existe um limite muito tênue entre o dividir os seus sentimentos e acontecimentos com os colegas de FB e o abrir o armário e deixar todos os esqueletos pularem pra rede. pode ser que só eu pense assim, que declarações de amor são feitas nas atitudes do cotidiano e que o sofrimento deve ser dividido com os amigos mais próximos ou com o terapeuta. haja paciência!

mais beijo!

p.s.1: é sempre um prazer passar por aqui! ;)
p.s.2: continue escrevendo pra gente ler! diário é coisa pra quem tem medo de ser criticado! :)

Giselle Fleury disse...

A Bianca falou tudo que eu acho, vc falou tudo que eu acho, mas eu resolvi dizer assim mesmo :-) Como se diz em inglês, "eu não poderia concordar mais" :-) É óbvio que as pessoas estão carentes, é óbvio que o fb serve para aplacar um pouco dessa carência, mas ninguém é "homem" o suficiente para assumir isso. E a gente ainda vive em um mundo em que o virtual tem às vezes mais peso do que o real, as pessoas terminam relacionamentos por causa de uma bobeira escrita nas redes sociais... e eu nem posso atirar pedras pq todo mundo é ou já foi assim. (Eu acho que ainda sou, hihihih....) Mas adorei o texto, mostra como é bom, também no mundo virtual, ouvir mais do que falar... E a gente ouve cada coisa...
Bjks, Marquitos, adorei!

Sandrinha Maia disse...

Um amiga compartilhou teu texto no Fb e achei teu blog! Simplesmente maravilhoso! Now, following you! Parabéns pelo dom da escrita!

Monique Freire disse...

Maravilha de texto,como sempre!Sou sua fã!Me vejo em suas palavras...*rsrsrs*Fazer o q né?
É errando e quebrando a cara q se aprende a viver e a fazer as escolhas certas para cada momento da vida!
Beijos.

Cátia disse...

Muito bom seu texo, Marcos! Pra variar, concordo contigo.
Também sinto um mal-estar ao ler certos comentários depressivos ou raivosos no FB, mas ao mesmo tempo eu procuro me lembrar também da diversidade de temperamentos e necessidades das pessoas. Sei lá, eu sou do jeito que sou e tenho uma boa idéia do que funciona ou não para mim, além de procurar agir coerentemente com o que eu gosto ou não gosto de ver nos outros. Mas o que funciona para mim não funciona necessariamente para uma outra pessoa. Vai ver que o fato de desabafar as mágoas no status do facebook alivia de fato a dor que a pessoa sente, vai ver que ela consegue a ajuda ou consolo que ela precisa na forma de um simples like ou um comentário. Vai ver que só o fato de colocar o que se sente em palavras e saber que outras pessoas estão lendo é o bastante. Eu procuro desmanchar o rótulo de coitado que eu as vezes tenho a tendência em colocar nessas pessoas. Vivemos em mundinhos diferentes um dos outros, pois temos percepcões diferentes da realidade.
Seu texto me fez pensar, como deu pra perceber. Espero que me perdôe pela divagação. :)

Beijocas

Elis Barbosa disse...

No fundo eu sabia que não estava louca acreditando nisso! Bom meu caro, saiba que contribuiu para um dia menos dolorido!

I'm going to save myself, at some point, I'm sure.

Walquiria disse...

Psiu...

Passando rapidinho para deixar um bjo doce e um abraço pertadin...

Saudade de ler-te.


Ah, qto ao texto: TÔ ME VIRANDO! Rsrs

Entendeu, né?

Dama de Cinzas disse...

Uma blogueira indicou seu blog para mim. E olha tenho que concordar contigo. Só a gente pode fazer algo para sair dos buracos que nos enfiamos. Sempre achei isso, por isso não gosto de ficar me lamentando, quando começo a fazer isso é porque tá na hora de agir... rs

Beijocas

PRISCILLA REIS disse...

Marcos, ainda não tinha entrado no teu blog e você já estava seguindo o meu! Adorei o texto e realmente, tem dias que eu sofro, como dizem por aí, de VA (vergonha alheia! rs...). Já vi casais discutindo relação, se separando e voltando pelo FCB e ainda por cima, enviando mensagem pra comunicar os dois movimentos. Tem pessoas que chegam ao extremo da exposição e digo mais: se você posta algo de valor e algo sério, poucos ou nenhum comentário. Se posta algo de sacanagem, ou barbárie, o ibope é altíssimo. Como diz a música da Legião - "(...) Todos querem ver e comentar a novidade! Tão emocionante um acidente de verdade! Estão todos satisfeitos com o sucesso do desastre (...)" Triste realidade, mas há um certo flagelo de almas, uma tristeza provocada pelo excesso de futilidades e consumismo de coisas quase que inúteis. O ser humano está desaprendendo a ser gente...
Mesmo assim, hoje postei algo bem pra cima no meu blog "umbilical". Passa lá e fique à vontade pra comentar.
Bjs.

Aninha Zocchio disse...

Se cada um conseguir fazer a sua parte, tudo se transforma.... como aquela historinha de que um passarinho resolve levar agua em seu bico para apagar um incendio..
Acho que ajudamos mais, não interferindo em certas ocasiões, mas ouvir às vezes ajuda... como também se calar quando necessário!

Ahh Marcos, indiquei o seu blog para uma moça que escreve de forma fantástica... eu disse a ela que ela é uma versão feminina do Depois do Verbo, ( ahhh confesso)na verdade...eu disse a ela que você é a versão masculina do blog dela rsssss

Abraços!

lisieux disse...

"sapiando" alguns blogs, deu de olhos com o seu... é... vc tinha que se chamar Marcos.
voltarei!
bjoka
lis

Janaina Cruz disse...

Nossa,vou começar agora a reparar nas fotografias que posto no face...rs

Mas é como vc disse mesmo,há toda espécie de tipos de mensagens nas coisas que colocamos...

Abraços