quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Light


Prólogo: Para solicitar a transferência de responsabilidade e a religação da luz, por telefone o atendente me instruiu a comparecer em uma das (vou chamar de "lojas") lojas da Light levando minha identidade e meu CPF, bem como cópias destes. Fui na do Metrô do Largo da Carioca, me parecia mais prático. Foi tudo rápido e simples, não precisou das cópias dos documentos pra nada. Saí de lá com um papel comprovando o atendimento, os números de protocolo e a informação de que dentro de 48hs uma equipe da empresa iria lá em casa religar o fornecimento de energia.

É aqui que começa a história...

Como contei no post anterior (Síndica), recebi o imóvel sem luz e sem interfone. Eu não sabia de nada do funcionamento da vila, mas sabia que a caixa onde a equipe da Light deveria mexer estava aqui dentro, pois o local é velho demais (nas contruções menos antigas, esses contadores passaram a ser instalados em área externa, justamente para que a Light possa cortar ou religar a energia sem depender a presença do consumidor). Eu ainda estava morando no antigo apê, então o jeito foi acordar às 7:30hs e partir pra vila para ficar de plantão na escadaria, olhando para o portão principal. Levei livro, levei MP3, mas nada vencia o tédio e a bunda doendo no degrau torto de cimento. Alguns vizinhos passavam e cumprimentavam, outros sequer respondiam ao meu cumprimento. Tudo bem, até aí normal. Vez ou outra eu saía para o boteco ao lado, pedia um pão com ovo, dois pães com manteiga, café com leite, coca-cola, coisas desse tipo iam virando meu café da manhã, almoço e jantar pois, não sei se vocês se lembram, a equipe poderia chegar a qualquer momento entre 8hs e 20hs.

Primeiro dia: nada.

Segundo dia: o relógio já marcava 15hs e nada de Light. Liguei pra lá.

- Alô, boa tarde... Meu nome é Marcos e eu solicitei que religassem a luz da casa pra onde me mudei, mas até agora ninguém veio.
- O senhor poderia estar me informando quando foi feita a solicitação?
- Terça-feira passada.
- A que horas, senhor?
- A que horas? Sei lá, de tarde.
- O senhor pode estar me passando o número do protocolo do serviço?
- Tenho dois aqui, um de religação e outro de transferência de responsabilidade, não diz qual é qual. São número blá e número blá blá blá.
- Só um momento senhor... (um momento)... Senhor, aqui consta a religação no endereço tal, solicitada em nome da Srª Gilda. Confere?
- Gilda?! Não, Gilda era a antiga moradora, eu pedi a transferência de responsabilidade para o meu nome!
- Entendo, senhor. O que acontece: o fato da solicitação estar em nome da Srª Gilda não impede a religação, mas consta no sistema que o pedido foi feito às 17:12hs do dia quatro, então ainda estamos dentro do prazo para a religação, senhor, que é de 48hs a partir da solicitação.
- Então só se depois das cinco da tarde ninguém tiver vindo é que posso ligar pra cobrar?
- Exatamente senhor.

O relógio marcou 17:13hs e liguei novamente.

- Olha, aconteceu isso e isso e isso... já se passaram as 48hs e ninguém veio aqui.
- Só um minuto que estarei verificando o andamento da solicitação, senhor.
(1 minuto)
- Senhor, consta aqui no sistema uma notificação de que a equipe esteve no local no dia seis deste mês mas não encontrou a síndica para pegar a chave que abre o CP.
- Mas peraí, isso é impossível! Dia seis é hoje! EU estou aqui de plantão esse tempo todo e não vi ninguém! Aliás, eu também já tinha me informado com a síndica de que não era necessária chave nenhuma, o marcador fica dentro da minha casa, é lá que eles vão mexer.
- Bom, senhor, é o que consta aqui.
- Mas isso é falso! NINGUÉM esteve aqui! E agora, o que acontece?
- Bom, senhor, com esta notificação, é reaberta a contagem de 48hs para que a equipe esteja realizando o serviço. O prazo passa a ser dia oito.
- Isso é um absurdo, eu afirmo que não esteve equipe nenhuma aqui! Já que essa ligação está sendo gravada, quero deixar registrado que eu vou ligar para a ouvidoria da Light agora mesmo para fazer uma queixa!

Desliguei e lá fui eu ligar pra ouvidoria da Light. Digita número praqui, digita número prali, quando eu acho que cheguei em algum lugar, entra uma gravação dizendo que posso acompanhar o processo através da internet (não, LIGHT! Eu NÃO POSSO acompanhar pela internet porque minha casa está SEM LUZ!), e a ligação desliga-se sozinha ao fim da mensagem. Ok, liguei de novo, digitei tudo de novo, mas desta vez segui outro caminho que me redirecionava "para um de nossos atendentes". Chamou. Chamou. Chamou, chamou, chamou, ninguém atendeu, caiu a ligação. Tentei de novo. Não consegui de novo. Tentei. Não consegui. Tentei. Não consegui...

Como eu já estava muito puto e não conseguia reclamar da Light na ouvidoria da Light, fui ligar para a ANEEL, que é a agência reguladora própria para vigiar as companhias fornecedoras de energia.

- Alô, boa tarde... meu nome é Marcos e estou ligando para me queixar sobre a Light.
- Qual seria a queixa, senhor?
(expliquei a situção sobre a falsa notificação de comparecimento e sobre a ouvidoria que sequer atende as chamadas)
- Entendo, senhor. Qual o prazo que lhe foi dado para a realização do serviço?
- 48hs.
- Que já expirou?
- O prazo original já, mas agora eles reabriram a contagem por mais 48hs sob a alegação de terem comparecido aqui, o que não ocorreu.
- Então não posso estar recebendo sua queixa, senhor, pois o serviço ainda está dentro do prazo informado.
- Mas a queixa é justamente essa! Eles só reabriram a contagem porque informaram lá que estiveram aqui e não encontraram ninguém, mas isso é mentira, ninguém veio aqui!
- Entendo, senhor, mas uma vez que reabriram a contagem deste prazo, o senhor só poderá estar registrando uma queixa caso eles não cumpram esse novo prazo.
- Meu Deus, isso é muito absurdo... Mas e quanto ao fato de a ouvidoria da Light não me atender? Posso reclamar disso? Afinal, é dever da ouvidoria atender os consumidores que vão reclamar da Light.
- Infelizmente, senhor, este procedimento só poderá estar sendo realizado se houver de fato a perda do prazo para a prestação do serviço.
- Mas a queixa agora é outra! Antes eu estava reclamando da notificação falsa dos funcionários da Light, agora eu estou falando do fato de que a ouvidoria da Light não funciona! Não é justamente com vocês que devemos contar para "estar vigiando" esse tipo de desrespeito ao consumidor?
- Se o senhor for o titular da conta, podemos estar registrando essa queixa agora mesmo, senhor.
- ... Bom, acontece que na última vez em que liguei pra Light, me informaram que meu pedido de transferência de responsabilidade não tinha sido realizado também.
- Sinto muito, senhor, mas não posso estar fazendo nada a respeito se o senhor não for o titular da solicitação do serviço, apenas o titular pode dar queixa.
- Então tá... esquece... eu desisto, deixa pra lá. Vou continuar aqui esperando.
- Algo mais em que eu possa estar ajudando o senhor?
- ...

É piada, né? Olha, eu vou falar uma coisa pra vocês... Há um tempo que eu não me sentia assim tão desamparado como ao fim daquela ligação. Você tem apenas UMA companhia que fornece eletricidade ao estado do Rio de Janeiro, e os elementos desta companhia te fazem perder tempo e cagam pra você. Daí você tem a ouvidoria da tal companhia, cuja função é ouvir você para garantir o bom funcionamento da própria, mas eles fingem que não existem (ou fingem que VOCÊ não existe) e cagam pra você. Já beirando a revolta, você finalmente recorre ao topo, à última instância, à agência regulamentadora que deve vigiar o funcionamento da já citada companhia, e eles se fazem de malucos, surdos, sei lá, em resumo, eles cagam pra você também. Não havia mais nada que eu pudesse fazer, apenas me sentar novamente na escada, esperar dar 20hs para poder ir pro apê e no dia seguinte voltar às 8hs da manhã...

Por fim, no dia seguinte veio o cara do interfone consertar o dito cujo, mais ou menos às 10hs da manhã. Com interfone funcionando, eu poderia aguardar dentro da casa, que era menos ruim do que na escada ao ar livre e sem ter onde encostar. A piada mesmo fica no fato de que a equipe da Light chegou 40 minutos após o conserto do interfone.

Epílogo: Com luz no imóvel, pude providenciar a mudança pesada, especificamente por causa da geladeira. Foram cerca de dois dias e três horas de uma verdadeira provação rumo à iluminação. Agora etávamos eu, geladeira, armário, mesa de jantar, estante, cama, fogão e gatos, finalmente todos lá. Infelizmente estava também, ali, junto de nós, marcando sua presença de forma incômoda e pungente, a impressão de que no Brasil não há prestadora de serviços que preste, de que não temos a quem recorrer em busca de socorro, de que estamos irremediavelmente indefesos à mercê delas. Como concluiu meu amigo blogueiro marioelva, numa "democracia" você até pode, sim, demandar os seus direitos, só que ninguém vai te ouvir.

2 comentários:

jessica disse...

Em menos de um mês (novembro) eu e minha família, juntamente com outras famílias do meu bairro, Bangu, e de outros bairros com certeza, passamos 4 dias com falta de luz constante.
Acaba a luz de madrugada e volta só de manhã (com esse calor nos impede de dormir e trabalhar bem no dia seguinte), acaba à tarde e volta à noite, acaba a qualquer hora, qualquer dia da semana, sem motivo aparente como queda de poste, chuva ou qualquer outro!!!
Bangu é um bairro muito quente!!
O que está ocorrendo?
NÃO É POSSÍVEL QUE NA CASA DELES TBM NÃO FALTE LUZ!!!!
Att.
Cliente Light que paga suas contas em dia e em débito automático

Marcos AM Ramos disse...

Pois é, Jessica. Sei que aí é um dos bairros mais quentes do Rio, deveria ser mais bem cuidado.
Nossos "administradores" públicos precisam lembrar que falta de luz não apenas nos impede de desfrutar de um ar-condicionado ou ventilador, mas também gera a falta de água (geralmente puxada da rua por bombas elétricas), a perda dos alimentos que acabam estragando na geladeira... impossível listar tudo.
Sinceramente? Acho que na casa deles não falta luz não.